Crise no relacionamento? Veja como resolver a situação

Como superar uma crise no relacionamento? O que fazer quando o casal está – abertamente ou não – em crise? Quais são as estratégias mais úteis e as atitudes mais eficazes a serem mantidas?

Como superar uma crise no relacionamento?

É sempre possível superar uma crise de casal?

Vamos descobrir neste artigo.

Quando um relacionamento está em crise? 

Quando um relacionamento está em crise, quanto mais cedo você começar a falar sobre isso com seu parceiro, melhor.

Abrir a comunicação sobre as causas da crise pela qual está passando, sem se fechar sobre si mesmo, distanciando-se ao mesmo tempo do outro, permite enfrentá-la com consciência e maturidade. Ele permite que você saia fortalecido como casal ou em qualquer caso enriquecido como pessoa, mesmo que “sozinho”.

Nem todas as crises podem ser superadas permanecendo juntos

Como superar uma crise de casal?

Todas as crises podem ser superadas, mas nem todas podem ser superadas juntas. Às vezes é melhor separar-se, se estar junto equivale a condenar a si mesmo e seus entes queridos à infelicidade.

Quando  não há motivação  para seguir em frente e enfrentar os problemas e as diferenças são inconciliáveis, ou quando estar com o outro envolve o sacrifício da saúde física e mental, a escolha deve ser a de separar os caminhos. O fim de uma história não representa necessariamente um fracasso, pelo contrário pode ser o início de um renascimento interior e de uma nova história de amor.

Muitas vezes na terapia encontramos casais que “ficam juntos pelos filhos” ou por motivos externos aos dois parceiros. Mesmo nesses casos é fundamental buscar e tentar entender se existe uma razão pessoal e compartilhada para manter aquela relação de pé, pois somos capazes de cuidar “das coisas que nos importam”.

Diante dessa premissa necessária, vamos tentar entender o que é uma crise de relacionamento e como superar uma crise de casal.

Crise de casal o que fazer? Dicas e remédios para superar a crise de um amor

Os sinais de uma crise não são difíceis de entender, embora às vezes prefiramos não vê-los e não estar cientes deles. Admitir que o casal entrou em um momento difícil, reconhecendo que não há mais harmonia, pode de fato representar uma das fases mais difíceis. Podemos, portanto, tender a “fingir que nada aconteceu”, a não ver seus próprios sinais de desconforto e os de seu parceiro: o questionamento nos assusta e, provavelmente, sabemos que, uma vez que tenhamos dado um nome ao problema, teremos de agir e enfrentá-lo. Há, portanto, uma tendência a adiar o início da resolução da crise e do problema.

Dicas para superar uma crise no relacionamento

crise no relacionamento - como sair

Mas como superar a crise do casal?

Aprendendo a confrontar-se, transformando as diferenças em oportunidade de escuta, comparação e compreensão mútua.

Flexibilidade de aprendizagem e a arte do compromisso. 

Por exemplo, quando os interesses de um colidem com os do outro. É importante que ambos busquem o próprio bem-estar (dar espaço ao chamado “egoísmo saudável”), sempre respeitando o bem-estar do outro. Quando é necessário recorrer a um compromisso, o importante é que nem sempre é o mesmo parceiro entre os dois que cede.

Aprendendo a cultivar o bem-estar no casal

O casal deve ser cuidado todos os dias, sem assumir que esse bem-estar é auto-nutrição e que “só estar junto”. Além disso, é fundamental ser o arquiteto dessa busca pelo bem-estar e não esperar que o parceiro cuide dele “primeiro”. Algo concreto deve ser feito para agradar o parceiro, criar momentos agradáveis ​​de convivência e buscar espaços de intimidade.

Renegociando a igualdade do relacionamento

Muitos relacionamentos entram em crise pela falta de alternância da posição relacional no equilíbrio do casal. Quando surge uma disparidade, pode surgir um mal-estar que exige uma revisão da trajetória do casal, dos fatores que surgiram e daqueles implementados inconscientemente: é, portanto, necessário encontrar novos equilíbrios.

A procura de uma abertura adequada ao contexto externo 

… (nem muito, nem muito pouco) permite ao casal estabelecer uma vida de relacionamento repleta de estímulos mas que salvaguarda a especificidade, identidade e exclusividade do sistema bipessoal.

Colocando -se à disposição para mudar dinâmicas afetivas já consolidadas e para se questionar

Este é um dos aspectos mais importantes e, ao mesmo tempo, mais difíceis. Certamente é mais fácil exigir a mudança do outro, colocando a origem dos problemas do casal fora de si mesmo. É sempre importante começar por você mesmo e pelo que você mesmo pode mudar, assumindo sua parte de responsabilidade.

Respeito pela interpretação da realidade dos outros 

Em interações conflitantes, os parceiros geralmente apelam para a objetividade dos fatos, mas cada um os lê de forma diferente. É típico pensar que o outro está exagerando ou errando, talvez se olharmos para ele com os óculos do preconceito. No conflito “estéril”, o parceiro perde o interesse na interpretação da realidade do outro, em seus caminhos mentais. Ao mesmo tempo, cresce a percepção de que a ideia diferente é contrária à sua, e uma intencionalidade é atribuída a isso (” ele está fazendo de propósito, ele quer se opor a mim “).

Conceber-se como uma pessoa potencialmente autônoma

Às vezes, um ou ambos os parceiros não podem tolerar a ideia de que a crise pode levar a um rompimento porque sofrem de angústia de separação. Uma série de defesas é, portanto, ativada toda vez que essa hipótese surge. Aqui, então, evitamos o conflito, ou evitamos discussões espinhosas, ou simulamos um acordo que não existe. A esse preço, o vínculo é mantido, mas a relação não é mais satisfatória e autêntica.

Cultivando um planejamento compartilhado

O planejamento fornece uma espécie de caminho psicológico composto por etapas e objetivos importantes que motivam a pessoa nos momentos de maior cansaço ou desorientação.

Cumplicidade na intimidade e nos relacionamentos 

A intimidade não se refere apenas à intimidade sexual e física. De fato, a intimidade “intelectual” propicia o compartilhamento de ideias e interpretações da realidade.

A terapia de casal 

Essa opção dá aos dois membros do casal a oportunidade de compartilhar e discutir aspectos da vida juntos, fantasias, necessidades, emoções, demandas. Isso acontece dentro de um lugar seguro, onde os tempos e espaços individuais são preservados. Ao analisar a história do casal e do relacionamento, o especialista pode propor ideias, atividades personalizadas, uma leitura diferente (do ponto de vista externo e imparcial) do que está acontecendo. Promove-se a empatia pelo parceiro que é   a chave para reabrir uma “negociação” de casal.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.